view: contents - template: fulltext
DOM 01
SEG02
TER03
QUA04
QUI05
SEX06
SAB 07
DOM 08
SEG09
TER10
QUA11
QUI12
SEX13
SAB 14
DOM 15
SEG16
TER17
QUA18
QUI19
SEX20
SAB 21
DOM 22
SEG23
TER24
QUA25
QUI26
SEX27
SAB 28
DOM 29
SEG30
TER31
Versão revista

INSTRUÇÃO CONJUNTA N.º 001/2018

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

PODER JUDICIÁRIO

CORREGEDORIA GERAL DE JUSTIÇA

 

INSTRUÇÃO CONJUNTA N.º 001/2018

 

Dispõem, no âmbito do Estado do Espírito Santo, sobre a destruição das substâncias entorpecentes apreendidos em inquéritos policiais, procedimentos ou processos criminais e de apuração de atos infracionais, e dá outras providências.

 

O Excelentíssimo Senhor Desembargador SAMUEL MEIRA BRASIL JR., Corregedor Geral da Justiça do Estado do Espírito Santo, o Excelentíssimo Senhor Cel PM NYLTON RODRIGUES RIBEIRO FILHO, Secretário de Estado da Segurança Pública e Defesa Social, o Excelentíssimo Senhor Delegado GUILHERME DARÉ DE LIMA, Delegado Geral da Polícia Civil do Estado do Espírito Santo e a Excelentíssima Senhora Delegada FABIANA MAIORAL FORESTO, Corregedora Geral Polícia Civil do Estado do Espírito Santo no uso de suas atribuições legais e,

 

CONSIDERANDO que a Corregedoria Geral da Justiça é órgão de fiscalização, que disciplina a orientação administrativa com jurisdição em todo o Estado do Espírito Santo, conforme artigo 35, caput, da Lei Complementar Estadual n.º 234/02 (Código de Organização Judiciária);

 

CONSIDERANDO o disposto nos artigos 50 e 72 da Lei nº 11.343/2006, de 23 de agosto de 2006, com a nova redação dada pela Lei nº 12.961/14 de 07/04/2014;

 

CONSIDERANDO o Manual de Bens Apreendidos do Conselho Nacional de Justiça;

 

CONSIDERANDO o grande número de substância entorpecente apreendida rotineiramente, a qual fica sob a guarda da delegacia competente e do DENARC da Grande Vitória e regionais;

 

CONSIDERANDO que a Polícia Civil do estado do Espírito Santo não dispõe de condições de armazenamento e custódia adequados para a guarda das drogas apreendidas que permanecem por tempo excessivo sem decisão para destruição;

 

RESOLVEM

 

Art. 1º Orientar os MM. Juízes com competência para processar e julgar crimes relativos a tráficos de entorpecentes ou ato infracional análogo, a observância estrita ao disposto no artigo 50 da Lei 11.343/2006, DETERMINANDO a destruição das drogas apreendidas, no prazo de 10 (dez) dias, guardando-se amostra necessária para realização do laudo definitivo.

 

§1º. O mesmo destino deverá ser dado aos apetrechos para acondicionamento e consumo de drogas, tais como objetos nos quais são ocultadas as drogas para carga que restem contaminados pela substância, além de cachimbos e outros utilitários que são aplicados na preparação para consumo.

 

§2º. O prazo de 10(dez) dias deverá ser contado a partir da distribuição do Auto de Prisão em Flagrante, inquéritos policiais, termos circunstanciados ou os procedimentos de apuração de ato infracional, quando acompanhado do laudo de constatação, o que deverá ser certificado nos autos.

 

§3º. Não sendo apresentado o laudo de constatação da droga apreendida, deverá o juiz requisitá-lo à autoridade policial, no prazo de 10 (dez) dias.

 

Art. 2º Orientar aos MM. Juízes que, ao proferirem sentença, façam constar a determinação de destruição das amostras guardadas para contraprova após o trânsito em julgado, na forma do artigo 72 da Lei nº 11.343/06.

 

Art. 3º. Caberá ao delegado de polícia competente, no prazo de 15 (quinze) dias, contados do recebimento da autorização judicial, promover a destruição das drogas apreendidas, na presença do Ministério Público e da autoridade sanitária, com as cautelas previstas no artigo 50 da Lei nº 1.343/06.

 

Art. 4º. Não sendo observado o prazo previsto no artigo 1º desta Instrução Conjunta, os delegados de polícia titulares das delegacias de polícia do estado, remeterão ao Delegado Diretor do departamento especializado em narcóticos (DENARC/SPE) a relação de drogas apreendidas sob sua guarda, por prazo excessivo, até o dia 30 de cada mês.

 

§1º. Recebido o relatório de que trata o caput deste artigo, a autoridade policial (DENARC/SPE) comunicará a esta Corregedoria Geral de Justiça, por meio de relatório mensal e até o dia 10 de cada mês, a relação dos processos e drogas apreendidas.

 

Art. 5º. Recebido o relatório do diretor do departamento especializado em narcóticos (DENARC/SPE), o Corregedor determinará a notificação do magistrado para resposta em 48 horas.

 

Art. 6º Esta instrução conjunta revoga as demais disposições contrárias e os atos que lhe precederam na disciplina do tema, entrando em vigor na data de sua publicação.

 

Publique-se. Registre-se. Cumpra-se.

 

Vitória/ES, 18 de julho de 2018.

 

 

Desembargador SAMUEL MEIRA BRASIL JR.
Corregedor Geral da Justiça

 

 

Tenente Coronel NYLTON RODRIGUES RIBEIRO FILHO

Secretário de Estado da Segurança Pública e Defesa Social

 

 

DR. GUILHERME DARÉDE LIMA

Delegado Geral da Polícia Civil do Estado do Espírito Santo

 

 

DRª. FABIANA MAIORAL FORESTO

Corregedora Geral Polícia Civil do, Estado do Espírito Santo