view: contents - template: fulltext
QUI01
SEX02
SAB 03
DOM 04
SEG05
TER06
QUA07
QUI08
SEX09
SAB 10
DOM 11
SEG12
TER13
QUA14
QUI15
SEX16
SAB 17
DOM 18
SEG19
TER20
QUA21
QUI22
SEX23
SAB 24
DOM 25
SEG26
TER27
QUA28
QUI29
SEX30
Versão revista

Lista 0339/2018

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO
VITÓRIA - 6ª VARA CRIMINAL

JUIZ(A) DE DIREITO: DRº CLAUDIA VIEIRA DE OLIVEIRA ARAUJO
PROMOTOR(A) DE JUSTIÇA: DRº FLAVIA VAREJAO ROSSONI E GAMA
CHEFE DE SECRETARIA: ANDRESSA MATHILDE ASSAD AZEVEDO


Lista: 0339/2018


1 - 0004219-58.2018.8.08.0024 - Ação Penal - Procedimento Ordinário
Autor: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO
Vítima: A SOCIEDADE
Réu: DANIEL DA SILVA MARCOLAN e outros

Intimo os(as) Drs(as) advogados(as)
Advogado(a): 28218/ES - HERICK FADINI CARDOSO
Réu: DAVI ROSÁRIO DOS SANTOS
Advogado(a): 28992/ES - PAULO ROBERTO BARBOSA SILVA
Réu: DANIEL DA SILVA MARCOLAN
Advogado(a): 26071/ES - RAMALHO LOVATTI DELUNARDO
Réu: DANIEL DA SILVA MARCOLAN

Para tomar ciência da decisão:
1- Abra-se novo volume de acordo com as regras do art. 345 do Código de Normas.


2- Oficie-se, com urgência, ao Departamento de Criminalística da Polícia Civil do Estado do Espírito Santo solicitando que a perícia do celular apreendido seja encaminhada a este juízo no prazo de 72hrs.


3- Após análise minuciosa dos autos, verifico que, por ora, subsistem os fundamentos para a manutenção da prisão do denunciado Daniel da Silva Marcolan.


A garantia da ordem pública restou ameaçada pela gravidade em abstrato do delito, bem como pela quantidade (123,5 gramas de maconha, vide laudo fls.187).


O crime de tráfico de drogas causa grande repercussão social por ser acompanhado de vários outros delitos (homicídio, roubo, furto), resultando em maior temor social e aumento da violência.


Cabe destacar que o denunciado Daniel está sendo acusado pela prática de vários delitos, incluindo crime de homicídio. Assim, é possível afirmar que, apesar de todos os esforços, não houve sucesso em coibir a atividade criminosa do denunciado.


Não há, nos autos, qualquer comprovante de endereço do denunciado, bem como informação de que exerce ocupação lícita, razão pela qual necessária a custódia para garantir a aplicação da lei penal. Além disso, em seu interrogatório, o mesmo afirmou que estava solto há seis meses quando foi preso e que não trabalhou enquanto esteve em liberdade.


Da mesma forma, o Ministério Público opinou pelo indeferimento do pedido de revogação da prisão preventiva, conforme se observa às fls. 219/245.


Assim, necessária é a manutenção da constrição cautelar, face a presença de motivos para a custódia preventiva do denunciado, eis que da análise do binômio necessidade/utilidade, subsistem os fundamentos necessários à manutenção da custódia, a teor do disposto nos artigos 311 e seguintes do Código de Processo Penal.


Dessa forma, torna-se impossível, por ora, aplicar as medidas cautelares dispostas no artigo 319 do Código de Processo Penal e arbitrar fiança, conforme disposição dos artigos 321 e 324, inciso IV, ambos do Código de Processo Penal, ante a presença dos requisitos autorizadores da prisão cautelar.


Art. 321. Ausentes os requisitos que autorizam a decretação da prisão preventiva, o juiz deverá conceder liberdade provisória, impondo, se for o caso, as medidas cautelares previstas no art. 319 deste Código e observados os critérios constantes do art. 282 deste Código.


Art. 324. Não será, igualmente, concedida fiança:
IV - quando presentes os motivos que autorizam a decretação da prisão preventiva (art. 312).


Ante o exposto, consubstanciado nos artigos 312 e 313, inciso I, ambos do Código de Processo Penal, MANTENHO A PRISÃO PREVENTIVA DO DENUNCIADO DANIEL DA SILVA MARCOLAN.


Intime-se o Ministério Público e a defesa, dando-lhes ciência desta decisão.




VITÓRIA, 8 DE NOVEMBRO DE 2018

ANDRESSA MATHILDE ASSAD AZEVEDO
CHEFE DE SECRETARIA