view: contents - template: fulltext
QUI01
SEX02
SAB 03
DOM 04
SEG05
TER06
QUA07
QUI08
SEX09
SAB 10
DOM 11
SEG12
TER13
QUA14
QUI15
SEX16
SAB 17
DOM 18
SEG19
TER20
QUA21
QUI22
SEX23
SAB 24
DOM 25
SEG26
TER27
QUA28
QUI29
SEX30
Versão revista

GUARAPARI - 1º JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL/FAZ. PÚBLICA
Listas

Lista 0240/2018

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO
GUARAPARI - 1º JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL/FAZ. PÚBLICA

JUIZ(A) DE DIREITO: DRº FERNANDA CORREA MARTINS
PROMOTOR(A) DE JUSTIÇA: DRº ANTONIO LUIS ROGERIO CAPATAO
ANALISTA JUDICIARIO ESPECIAL: NATALIA VARGAS THOME


Lista: 0240/2018


1 - 0005891-13.2018.8.08.0021 - Procedimento do Juizado Especial Cível
Requerente: CARLOS ANTONIO AVELAR DE PAULA
Requerido: MUNICIPIO DE GUARAPARI

Intimo os(as) Drs(as) advogados(as)
Advogado(a): 16355/ES - VIVIAN SANTOS GOMES
Requerente: CARLOS ANTONIO AVELAR DE PAULA

Para tomar ciência do despacho:
 Intimem-se as partes para dizer se possuem provas a serem produzidas em audiência e, em caso positivo de prova oral, para apresentarem o rol de testemunhas no prazo legal, ficando cientes de que o silêncio ensejará no julgamento antecipado da lide.


Diligencie-se.


2 - 0004906-78.2017.8.08.0021 - Procedimento do Juizado Especial Cível
Requerente: ENIO PAULA ROCHA
Requerido: MUNICIPIO DE GUARAPARI

Intimo os(as) Drs(as) advogados(as)
Advogado(a): 20584/ES - NADJA CAMILA SILVA SALAZAR DE JESUS
Requerente: ENIO PAULA ROCHA
Advogado(a): 19711/ES - ROCHELLE TAVEIRA BAPTISTA LORETI
Requerente: ENIO PAULA ROCHA
Apresentar contrarrazões.


3 - 0004266-41.2018.8.08.0021 - Termo Circunstanciado
Vítima: GILDA ROSA BARROS
Autor do fato: MARCELO NASCIMENTO ROSA

Intimo os(as) Drs(as) advogados(as)
Advogado(a): 18578/ES - MARIA HELENA NAPOLEAO
Autor do fato: MARCELO NASCIMENTO ROSA

Para tomar ciência do despacho:
 Defiro o requerimento. Fixo prazo de 20 (vinte) dias para a juntada da procuração e da certidão de óbito da suposta vítima.


4 - 0000656-65.2018.8.08.0021 - Procedimento do Juizado Especial Cível
Requerente: BUBACK E PERES LTDA ME e outros
Requerido: ESTADO DO ESPIRITO SANTO

Intimo os(as) Drs(as) advogados(as)
Advogado(a): 24470/ES - NATHALIA MENDES VIDAL
Requerente: BUBACK E PERES LTDA ME

Para tomar ciência da decisão:
 Trata-se de embargos de declaração opostos pela parte autora em face da sentença de fls. 88/90, a fundamento que o decisum foi omisso e contraditório.
É o breve relatório. Decido.
Inicialmente, insta consignar que os Embargos de Declaração estão previstos no artigo 83 da Lei 9.099/95, cabíveis quando, em sentença ou acórdão, houver obscuridade, ambiguidade, contradição ou omissão.
O Ilustre Professor Eugênio Pacelli de Oliveira afirma que do julgamento dos Embargos de Declaração "não poderá resultar modificação do julgado, prestando-se eles a apenas esclarecer pontos sobre os quais existam ambiguidades, obscuridade, contradição ou omissões" (Curso de Processo Penal. 10ª Edição. Rio de Janeiro. Editora Lumen Juris., p. 732).
A contradição que enseja a oposição de embargos de declaração, faz-se presente quando a decisão contém afirmações ou conclusões que se mostram entre si inconciliáveis, o que não é o caso dos autos.
Sobre o tema, entende a jurisprudência, in verbis:
PROCESSUAL CIVIL. EMBARGOS DE DECLARAÇÃO NO AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ESPECIAL. ART. 1.022 DO CPC/2015. VÍCIOS NÃO CONFIGURADOS.
1. Nos termos do que dispõe o artigo 1.022 do CPC/2015, cabem embargos de declaração contra qualquer decisão judicial para esclarecer obscuridade, eliminar contradição, suprir omissão de ponto ou questão sobre a qual devia se pronunciar o juiz de ofício ou a requerimento, bem como para corrigir erro material.
2. Conforme entendimento desta Corte, "a contradição que autoriza o manejo dos embargos de declaração é a contradição interna, verificada entre os elementos que compõem a estrutura da decisão judicial, e não entre a solução alcançada e a solução que almejava o jurisdicionado" (REsp 1.250.367/RJ, Rel. Min. Eliana Calmon, Segunda Turma, DJe de 22/8/2013).
3. Não há vício a ensejar esclarecimento, complemento ou eventual integração do que decidido no julgado, pois a tutela jurisdicional foi prestada de forma clara e fundamentada.
4. Embargos de declaração rejeitados.
(EDcl no AgRg no REsp 1427222/PR, Rel. Ministro BENEDITO GONÇALVES, PRIMEIRA TURMA, julgado em 27/06/2017, DJe 02/08/2017)
Ademais, no que tange à alegação de omissão, importante ressaltar que esta se traduz pela falta de abordagem do magistrado acerca de alguma alegação ou requerimento formulado, o que não se verifica in casu, vez que todos os pontos suscitados na inicial foram devidamente analisados e decididos.
Destarte, pretende a parte embargante rediscutir matéria já apreciada, entretanto, a presente via recursal não serve para rediscutir o mérito da causa, para renovar ou reforçar os fundamentos da decisão, especialmente se a lide foi fundamentalmente resolvida.
Ante o exposto, REJEITO OS EMBARGOS OPOSTOS por ausência de cabimento, pelo que mantenho a decisão atacada por seus próprios termos.
Intimem-se. Diligencie-se.
 


5 - 0008359-47.2018.8.08.0021 - Procedimento do Juizado Especial Cível
Requerente: MARINHO REIS ME (FÁBRICA DE GELO REIS)
Requerido: FAZENDA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

Intimo os(as) Drs(as) advogados(as)
Advogado(a): 17135/ES - VIVIANI PIASSAROLI MANTOVANELI
Requerente: MARINHO REIS ME (FÁBRICA DE GELO REIS)

Para tomar ciência da decisão:
 Nos autos nº 0013719-60.2017.8.08.0000, a Exma. Desembargadora Relatora admitiu o Incidente de Resolução de Demandas Repetitivas e determinou a suspensão dos processos que tramitam neste Estado, que versem sobre a incidência da TUSD e TUST sobre a base de cálculo do ICMS.
Assim, devem os autos permanecerem suspensos até decisão da Instância Superior.
Deve, ainda, ser lançado no sistema cartorário o devido código de autos sobrestados por Incidente de Resolução de Demandas Repetitivas e, também, o número do tema/controvérsia ou NUT que representa o Incidente de Resolução de Demandas Repetitivas.
Deve a assessoria do gabinete, quando do registro da presente, promover o lançamento do código de movimentação da tabela processual unificada do Conselho Nacional de Justiça, sendo o nº 12098, suspensão por Incidente de Resolução de Demandas Repetitivas, bem como promover, também, a inserção do nº 8.08.1.000006, referente ao tema/controvérsia ou NUT que representa o incidente.
Diligencie-se.


6 - 0007815-93.2017.8.08.0021 - Procedimento do Juizado Especial Cível
Requerente: PEDRO HENRIQUE LACERDA NICOLAU FILHO
Requerido: DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRANSITO

Intimo os(as) Drs(as) advogados(as)
Advogado(a): 26001/ES - FRANCISCO JOSE SALVADOR
Requerente: PEDRO HENRIQUE LACERDA NICOLAU FILHO

Para tomar ciência da sentença:
 PROJETO DE SENTENÇA
Vistos etc.
Dispensado o relatório nos termos do art. 38, da Lei 9.099/95, passo imediatamente a fundamentação e ao dispositivo.
Decido.
Os autos encontram-se carreados de provas, as quais são suficientes para embasar um juízo meritório pertinente ao caso, sendo portanto, o presente momento processual de julgamento antecipado do mérito a teor do disposto no Art. 355, I do NCPC, não havendo necessidade de produção de outras provas, o que ostenta perfeita sintonia com o princípio fundamental da duração razoável do processo, contemplado no artigo 5° LXXVIII, da Constituição Federal, mormente porque não houve requerimento de produção de outros meios de provas pelos litigantes.
Quanto à dispensa de outros elementos de convicção é o que se passa, cuja prova documental, exibida com a petição inicial, se mostraram suficientes para a certificação do fato constitutivo do direito discutido nos presentes autos, autorizando a aplicar o direito ao caso concreto, independentemente da produção de qualquer outra prova, além da documental já constante dos autos.
Pois bem, no caso sob comento há preliminares a enfrentar ou irregularidades a serem suprimidas.
I – DA AUSÊNCIA DE INTERESSE DE AGIR – PERDA SUPERVENIENTE DO OBJETO
Em sua contestação, o Detran trouxe a preliminar de perda superveniente do objeto ante a ausência de interesse de agir do autor, ao fundamento de que os processos administrativos do direito de dirigir sob os nºs. 62016539 e 60990546, e do processo de cassação de nº. 69038570, encontram-se concluídos, bem como o processo de suspensão do direito de dirigir sob o nº. 65614151 advindo do auto de infração PM30238304, o requerido afirma que foram cancelados.
O requerente não questiona nenhuma irregularidade acerca do processo administrativo de nº 62016539, pois entende que não houve qualquer vício.
No entanto, o autor alega que o processo de nº. 60990546 não fora regular ante a ausência de notificação de penalidade. Todavia, constato que o tempo da penalidade fora de apenas 01 (um) mês de suspensão da carteira nacional de habilitação, e que inclusive já cumprido pelo autor, uma vez que o mesmo entregou sua carteira de habilitação, como se depreende às fls. 83, o que se conclui que o condutor concordou com sua aplicação.
Ademais, acerca do cumprindo desta penalidade, a CNH do autor já fora devolvida, conforme fls. 46, havendo, por conseguinte a conclusão do processo administrativo, e portanto, neste caso, não persiste mais o interesse de agir do autor, posto que o processo encontra-se extinto.
Da mesma forma, quanto ao processo administrativo de cassação de nº. 69038570, cuja a penalidade foi a suspensão de 24 meses sem dirigir, as afirmações do autor de que não foi devidamente notificado quanto da autuação e da penalidade, é superada, uma vez, que o próprio demandante afirma em sua exordial que cumpriu a penalidade entregando a sua CNH (17/03/2015), conforme fls. 41, o que denota que o mesmo concordou com a sanção, e informa em sua exordial que no dia 06/03/2017 já estava liberado para proceder com a reabilitação da sua carteira.
Assim, não há o que questionar acerca da regularidade do processo, visto que, uma vez cumprida a penalidade, o processo encontra-se finalizado, e portanto, não há de interesse de agir do autor.
Já o processo administrativo de nº 65614151, originado pelo auto de infração PM 30238304, também não há que se falar em constatação de irregularidade, isto porque, em que pese o autor afirmar que não houve notificação de penalidade do auto de infração, vejo que às fls. 60, houve a notificação de penalidade da infração via publicação editalícia em 13/05/2014.
Já a notificação do processo de suspensão, a sua notificação de abertura, não logrou êxito na entrega pelos Correios, assim, houve a publicação através de diário oficial em 11/07/2014, e a notificação de bloqueio, que fora devolvida pelos correios, ocorreu a publicação por diário oficial. (fls. 52)
Assim, não vejo possibilidade de declaração de qualquer irregularidade ao processo administrativo, visto que os atos administrativos gozam de presunção de veracidade, legalidade e legitimidade, sendo imprescindível robusta prova para que sejam desconstituídos, o que, definitivamente, não restou demonstrado nos autos.
As alegações das ausências de notificações de autuação e penalidade de acordo com o lastro probatório dos autos não restou verificada, uma vez que, muito embora tenha ocorrido infrutíferas notificações pessoal do autor, houve a devida publicação de edital de notificação da autuação e aplicação da penalidade, não havendo que falar na nulidade dos autos de infração.
Insta destacar que o autor em sua exordial não suscita que as notificações foram enviadas para endereço diverso do seu, mas apenas alega que não as recebeu. Porém, posteriormente a essas notificações, foi publicada a infração por edital, como já declinado acima.
Desta feita, devidamente comprovado que o autor foi notificado no endereço correto acerca da infração de trânsito, por isso, todas as infrações aplicadas devem ser mantidas por ter observado o princípio constitucional da ampla defesa, do contraditório e do devido processo legal, podendo, assim, externar validamente seus efeitos decorrentes.
Ademais, o requerido afirma que o referido processo de suspensão 65614151, bem como o AIT PM 30238304 foram cancelados em 20/12/2017, conforme se comprova às fls. 85, uma vez que o condutor já estava em processo de reabilitação.
Portanto, neste caso ocorreu a falta superveniente do interesse de agir por perda do objeto, visto que superada qualquer impeditivo que obstava a conclusão da reabilitação do condutor.
Cumpre ressaltar que não há nos autos comprovação de pagamento quanto à verificação de despesas de cunho material suportadas pelo autor. Assim, no que tange à demonstração dos danos materiais, verifico que não juntou o mínimo de elemento probatório na fase postulatória e probatória, pois não se desincumbiu do ônus de constituir prova de suas alegações, previsto no art. 373, I, do CPC, a fim de que seu pleito fosse julgado com êxito.
A mera alegação sem as devidas comprovações dos custos suportados pelo requerente não pode ser considerada como fator exaustivo, a fim de permitir a procedência do pedido de reparação de danos.
Quanto ao pedido de dano moral sobre o tema, a melhor Doutrina entende que:
“Alguns fatos da vida não ultrapassam a fronteira dos meros aborrecimentos ou contratempos. São os dissabores ou transtornos normais da vida em sociedade, que não permitem a efetiva identificação da ocorrência de dano moral. Um acidente de trânsito, por exemplo, com danos meramente patrimoniais, constitui um transtorno para os envolvidos, mas, certamente, não permite a identificação, na imensa maioria dos casos, da ocorrência de dano moral para qualquer deles.
(...)
A dificuldade da doutrina tem sido circunscrever, nos limites de uma definição, os elementos comuns pertinentes à imensa gama de modalidades de danos morais, incluindo os prejuízos resultantes de agressões ao direito à vida, à integridade físico-psíquica, à honra, à liberdade, à intimidade, à vida privada, à imagem, tanto de pessoas físicas quanto de pessoas jurídicas.
Exatamente em função da diversidade de bens jurídicos suscetíveis de serem atingidos, passou-se a classificar os danos morais em subjetivos e objetivos. O dano moral subjetivo é aquele que atinge a esfera da intimidade psíquica, tendo como efeito os sentimentos de dor, angústia e sofrimento para a pessoa lesada. Em contrapartida, o dano moral objetivo é aquele que atinge a dimensão moral da pessoa na sua esfera social, acarretando prejuízos para a imagem do lesado no meio social, embora também possa provocar dor e sofrimento.
(...)
Os simples transtornos e aborrecimentos da vida social, embora desagradáveis, não têm relevância suficiente, por si sós, para caracterizarem um dano moral. Deve-se avaliar, no caso concreto, a extensão do fato e suas conseqüências para a pessoa, para que se possa verificar a ocorrência efetiva de um dano moral. (...).” (Paulo de Tarso Vieira, Responsabilidade civil no código do consumidor e a defesa do fornecedor; São Paulo: Saraiva, 2002).
“Na tormentosa questão de saber o que configura o dano moral cumpre ao juiz seguir a trilha da lógica do razoável, em busca da sensibilidade ético-social normal. Deve tomar por paradigma o cidadão que se coloca a igual distância do homem frio, insensível e o homem de extremada sensibilidade. Nessa linha de princípio, só deve ser reputado como dano moral a dor, vexame, sofrimento ou humilhação que, fugindo à normalidade, interfira intensamente nocomportamento psicológico do indivíduo, causando-lhe aflição, angústia e desequilíbrio em seu bem estar, não bastando mero dissabor, aborrecimento, mágoa, irritação ou sensibilidade exacerbada.” (Sérgio Cavalieri Filho, Programa de Responsabilidade Civil, Ed Atlas, 2007). Grifei.
Devo anotar que não é qualquer dissabor ou constrangimento que deve ser alçado ao patamar de dano moral, o qual deve ser visto e entendido como uma dor, vexame, sofrimento ou humilhação que, fugindo à normalidade, interfira intensamente no comportamento psicológico e social da pessoa, causando-lhe sofrimento, angústia e desequilibro em seu bem-estar e a sua integridade psíquica, deve, portanto, existir um dano a se reparar, o que não ocorreu, tampouco ficou comprovado nos autos.
Urge salientar, ainda, que os elementos da responsabilidade civil permeiam a demonstração do dano suportado, da conduta ilícita e do nexo de causalidade entre ambos, sendo que nenhum dos institutos restou corroborado nos autos.
O autor afirma que teve aprovação de prova prática para aquisição de nova Carteira de Habilitação em julho/2017, e em dezembro/2017 o processo que era obste para o condutor lograr êxito em sua CNH fora cancelado.
Assim, entendo que o prazo de 04 meses, período em que o condutor ficou sem conseguir ter a nova habilitação, não é prazo irrazoável para que a autarquia requerida diligenciasse na resolução do caso do autor, capaz de haver violação a algum direito da sua personalidade.
Tampouco os fatos versados têm o condão de causar abalo psíquico, não restando, assim, comprovada nenhuma circunstância que ofendesse a dignidade do autor ou mesmo especial sofrimento psicológico decorrente de ação do requerido, de modo a justificar indenização por danos morais.
Assim, quanto ao dano moral improcedente o pleito indenizatório.
DISPOSITIVO
Acolho, portanto, a preliminar de ausência de interesse pela falta de necessidade, no que tange ao pedido dos autos que é de suspensão/cancelamento do procedimento de suspensão do direito de dirigir do autor de nº 60990546 e 65614151, e pela perda superveniente do objeto do processo de cassação 69038570, pelos fundamentos acima expostos, JULGO EXTINTO O PRESENTE FEITO, sem julgamento do mérito a teor do artigo 485, inciso VI, do Novo Código de Processo Civil.
E, JULGO IMPROCEDENTE os pedidos de dano material e moral do autor, a teor do art. 487, I, do CPC.
Sem custas.
Sentença não sujeita ao reexame necessário, nos termos do artigo 11, da Lei nº 12.153/09.
Publique-se. Registre-se. Intime-se. Após, arquivem-se com as cautelas de estilo.
Diligencie.
Submeto o presente projeto de sentença à homologação de juiz togado.
Guarapari/ES, 18 de outubro de 2018.
GERLAINE FREIRE DE OLIVEIRA NASCIMENTO
Juíza Leiga
Homologo o projeto de sentença acima, para que produza seus legais efeitos, nos termos do artigo 40, da Lei 9.099/95.


7 - 0008356-92.2018.8.08.0021 - Procedimento do Juizado Especial Cível
Requerente: ADONIAIS PEREIRA DE SOUZA
Requerido: ESTADO DO ESPIRITO SANTO e outros

Intimo os(as) Drs(as) advogados(as)
Advogado(a): 11095/ES - LUIZ FELIPE LYRIO PERES
Requerente: ADONIAIS PEREIRA DE SOUZA

Para tomar ciência da sentença:
 Tratam os presentes autos de execução individual de sentença promovida por Adonias Pereira de Souza, em face do Estado do Espírito Santo e do Banco do Estado do Espírito Santo - BANESTES S/A.
Aduz o exequente que nos autos de ação ordinária (nº 024.000.036.756) proposta pela ASSOCIAÇÃO DOS CABOS E SOLDADOS DA POLÍCIA MILITAR E BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, a qual teve curso na 2ª Vara da Fazenda Pública Estadual de Vitória, houve a prolação de sentença genérica, já alcançada pela coisa julgada, que, dividindo a condenação, atribuiu ao 1º executado, impôs a obrigação de arcar com os juros e os encargos bancários advindos da tal empréstimo e, ao 2º executado a obrigação de estornar os débitos efetivados em conta como decorrência de contrato de empréstimo rotativo.
Pretende, assim, o exequente, a imediata deflagração da presente execução individual para recebimento de valores que entende devidos.
É o breve relatório. Decido.
A hipótese é de indeferimento da inicial.
Com efeito, cuidando-se de sentença genérica proferida em processo envolvendo direitos individuais homogêneos, carece o título dos requisitos de liquidez e exigibilidade para o fim de imediata execução individual.
É que, ao que se infere do art. 97 do CDC, procedente o pedido na ação coletiva, deve haver primeiro a liquidação e somente após a execução individual da sentença. Define-se, assim, que o cumprimento da sentença genérica será promovido mediante nova demanda, dividida em duas fases distintas: a da liquidação, destinada a complementar a atividade cognitiva (até então restrita ao núcleo de homogeneidade dos direitos demandados), e a da “execução”, em que serão promovidas as atividades práticas destinadas a satisfazer, efetivamente, o direito lesado, mediante a entrega da prestação devida ao seu titular.
A primeira etapa, a seu turno, configura hipótese típica da antiga liquidação por artigos, hodiernamente tratada pelo NCPC no art. 509, II, ante a necessidade de alegar e provar fato novo (ou seja, fato não discutido e apreciado no juízo de conhecimento), regendo-se, consequentemente, no que couber, pelo “procedimento comum” (NCPC, art. 511). O fato novo na liquidação da sentença genérica da ação de cunho coletivo é o que resulta da margem de heterogeneidade dos direitos subjetivos: a definição da sua titularidade e da sua exigibilidade pelo demandante da liquidação, bem como o montante a ele particularmente devido.
Não há dúvida, portanto, que a sentença genérica não tem eficácia executiva, para alcançá-la, terá de ser complementada por outra, da qual resultem identificados os elementos faltantes da norma jurídica individualizada, em ação (de liquidação) de natureza eminentemente cognitiva, destinada a definir o valor da prestação a ser executada, ou o seu objeto ou o titular do direito, formando, desse modo, integrada à sentença anterior, o título que habilita o credor à tutela executiva, que pressupõe, sempre, título certo, líquido e exigível.
Por fim, cuidando a liquidação e execução individual, pelos próprios contornos acima enfatizados, de uma demanda de cunho autônomo com acentuada carga cognitiva, entendo que, ainda que existente uma única sentença coletiva (cuja natureza da cognição e do objeto justificava o cúmulo subjetivo passivo), entendo que não ostenta este Juizado Especial competência para o acertamento de referida pretensão em face de ente de natureza jurídica privada, mormente tendo em conta a plena cindibilidade das obrigações pecuniárias impostas no édito judicial coletivo e a inviabilidade de alargamento de competência absoluta por força do instituto da conexão.
À luz do exposto, indefiro a inicial e JULGO EXTINTO o cumprimento de sentença que se cuida, na forma do artigo 485, IV, c/c os artigos 783 e 803, I, todos do NCPC, ante a atual iliquidez e inexigibilidade do título judicial coletivo relativamente à esfera individual do exequente.
Sem custas e honorários.
Publique-se. Registre-se e Intimem-se.
Após o trânsito em julgado, arquivem-se os autos, com as baixas e anotações de estilo.
Diligencie-se.




GUARAPARI, 8 DE NOVEMBRO DE 2018

NATALIA VARGAS THOME
ANALISTA JUDICIARIO ESPECIAL