view: contents - template: fulltext
DOM 01
SEG02
TER03
QUA04
QUI05
SEX06
SAB 07
DOM 08
SEG09
TER10
QUA11
QUI12
SEX13
SAB 14
DOM 15
SEG16
TER17
QUA18
QUI19
SEX20
SAB 21
DOM 22
SEG23
TER24
QUA25
QUI26
SEX27
SAB 28
DOM 29
SEG30
Versão revista

NOVA VENÉCIA - 2ª VARA CRIMINAL
Listas

Lista 0101/2019

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO
NOVA VENÉCIA - 2ª VARA CRIMINAL

JUIZ(A) DE DIREITO: DRº IVO NASCIMENTO BARBOSA
PROMOTOR(A) DE JUSTIÇA: DRº LEONARDO AUGUSTO DE ANDRADE CEZAR DOS SANTOS
CHEFE DE SECRETARIA: IZAURA RODRIGUES DE FREITAS CAMPANA


Lista: 0101/2019


1 - 0005353-83.2015.8.08.0038 - Ação Penal - Procedimento Ordinário
Autor: MINISTERIO PUBLICO ESTADUAL
Vítima: SOCIEDADE e outros
Testemunha Autor: SGT/PMES JOCIMAR PANCIERI e outros
Réu: LINDOMAR TESCH

Intimo os(as) Drs(as) advogados(as)
Advogado(a): 19551/ES - WAGGNER ALBERTO WESTPHALL STABENOW
Réu: LINDOMAR TESCH

Para tomar ciência da decisão:
O Ministério Público ofertou denúncia em desfavor de LINDOMAR TESCH, imputando-lhe a prática da(s) conduta(s) descrita(s) no(s) artigo(s) 150, §1° do Código Penal e artigo(s) 14 e 15, ambos da Lei nº 10.826/2003, na forma do artigo 69 do Código Penal Brasileiro. Denúncia recebida a(às) fls. 73. Acusado(a) citado(a) por edital a(às) fls. 95. O prazo decorreu sem manifestação nos autos, o que levou a suspensão da marcha processual e do prazo prescricional nos moldes do artigo 366 do CPP, oportunidade em que fora decretada a prisão preventiva deste réu com fulcro no artigo 312 do Código de Processo Penal (fls. 97/98). Mandado de prisão cumprido em 09/08/2019 às fls. 106/107. Requerimento de revogação da prisão preventiva às fls. 108/113. Advogado constituído a fls. 121. Manifestação ministerial às fls. 145/145v°. Eis, o relatório. Decido. 1. DA RETOMADA DA MARCHA PROCESSUAL E DO PRAZO PRESCRICIONAL: Considerando que o acusado LINDOMAR TESCH constituiu advogado, conforme procuração anexa às fls. 121, determino a retomada da marcha processual e do prazo prescricional. Intime-se o advogado constituído para apresentação de resposta à acusação, no prazo de 10 (dez) dias. Com manifestação, façam-me conclusos. 2. DA LIBERDADE PROVISÓRIA: Inicialmente, registro que em caso de condenação no mínimo legal, pelos crimes narrados na denúncia, a pena unificada poderia chegar a 06 (seis) meses de detenção, e a 4 (quatro) anos de reclusão e multa, hipótese compatível com o regime aberto (artigo 33, § 2°, “c”, do Código Penal), porquanto, o acusado não é reincidente. Nesse sentido, de acordo com o princípio da homogeneidade, corolário do princípio da proporcionalidade, mostra-se ilegítima a manutenção da prisão provisória quando a medida for mais gravosa que a própria sanção a ser possivelmente aplicada na hipótese de condenação, pois não se mostraria razoável manter-se alguém preso cautelarmente em “regime” muito mais rigoroso do que aquele que ao final eventualmente será imposto.  Em outras palavras é ilegal a manutenção da prisão provisória na hipótese em que seja plausível antever que o início do cumprimento da pena, em caso de eventual condenação, será feita em regime menos rigoroso que o fechado (STJ. 5ª Turma. HC 182.750-SP, Rel. Min. Jorge Mussi, Julgado em 14/5/2013). ISTO POSTO, fulcrado no artigo 316 do Código de Processo Penal, REVOGO A PRISÃO PREVENTIVA de LINDOMAR TESCH e com espeque no artigo 282 c/c artigo 319, ambos do Código de Processo Penal, aplico-lhe as seguintes medidas cautelares: 1. proibição de acesso ou frequência à bares, boates, eventos festivos ou ambientes similares, visando evitar o risco de novas infrações (artigo 319, inciso II, do CPP); 2. proibição de manter contato com VALTEONE GRINEVALD, mantendo distanciamento mínimo de 100 (cem) metros deste (artigo 319, inciso III, do CPP); 3. proibição de ausentar-se desta Comarca por período superior a 08 (oito) dias, bem como não mudar de endereço sem comunicação prévia a este Juízo (artigo 319, inciso IV, do CPP); 4. recolhimento domiciliar no período noturno (das 21:00 as 06:00 horas) - (artigo 319, inciso V, do CPP); Expeça-se o respectivo alvará de soltura (no qual deverá constar as medidas impostas), ficando o réu advertido que: a) o descumprimento de qualquer das medidas impostas, poderá ensejar a decretação de sua prisão preventiva e b) deverá comparecer perante este Juízo, no prazo de 05 (cinco) dias, oportunidade em que assinará termo de compromisso. Dê-se ciência ao Ministério Público e ao(s) advogado(s) constituído(s). Intime(m)-se o réu e a vítima da presente decisão. Diligencie-se.


2 - 0002325-68.2019.8.08.0038 - Medidas Protetivas de urgência (Lei Maria da Penha)
Requerente: SILVANA DA CONCEICAO SANTOS CARNIELI
Requerido: MARCELO CARNIELLI

Intimo os(as) Drs(as) advogados(as)
Advogado(a): 006948/ES - AGUIDA CELESTE CREMASCO SCARDINI
Requerente: SILVANA DA CONCEICAO SANTOS CARNIELI

Para tomar ciência do julgamento:
  Trata-se de procedimento em que foram aplicadas medidas protetivas em desfavor de MARCELO CARNIELLI, em razão de suposta prática de violência doméstica em face de SILVANA DA CONCEIÇÃO SANTOS CARNIELI – decisão às fls. 09/10. Veio aos autos requerimento de revogação das medidas de proteção – fls. 23/44. Consta ainda, requerimento de restituição/ressarcimento de bens às fls. 46/48. Manifestação ministerial a fls. 60. Eis, o relatório.  Decido. Prefacialmente, destaco que a Lei Maria da Penha (Lei nº 11.340/06) foi promulgada com o claro intuito de tornar mais rigorosa, em tese, a punição dos casos de violência doméstica e familiar, visando proteger não apenas a incolumidade física e a saúde da vítima, como também tutelar a tranquilidade e a harmonia dentro do âmbito familiar, propiciando uma vida mais fraterna entre seus membros e afins. In casu, Silvana da Conceição Santos Carnieli deixou o local de convivência com Marcelo Carnielli em janeiro do corrente ano, iniciando novo relacionamento (declarado às fls. 04/04v° e fotografias às fls. 34/44), dando prosseguimento à sua vida sem qualquer interferência do requerido (Silvana não relata perturbações de Marcelo em período pretérito ao seu retorno à residência do ex-casal).  Outrossim, decorrido aproximadamente seis meses, Silvana retornou para a residência ocupada por Marcelo e os filhos em comum do ex-casal (Maurício Santos Carnielli e Thiago Santos Carnielli), dando ensejo a discussão registrada pelo BO n° 39551259/2019 e, ainda, ao afastamento de Marcelo da residência ocupada por este e seus filhos. Os filhos do ex-casal declararam que o pai (Marcelo) não agrediu a mãe (Silvana) no dia 06/06/2019, tampouco durante a constância do casamento, reconheceram apenas a existência de discussões entre os envolvidos (Marcelo e Silvana) – fls. 31 e 33. Destarte, ao que parece, Silvana buscou na seara penal um “atalho” para o afastamento de Marcelo da residência que compõe o patrimônio comum do ex-casal, o que não pode ser admitido no âmbito jurídico, posto que a partilha de bens deve ser discutida perante o Juízo competente (Vara de Família). Registro que eventual ressarcimento decorrente da prática delitiva é apenas cabível após a sentença condenatória, com fulcro no artigo 387, inciso IV, do Código de Processo Penal, sendo inapropriado o pleito em sede de medidas protetivas. Posto isto, revogo as medidas protetivas decretadas na decisão de fls. 10/10v° e, via de consequência, JULGO EXTINTO o procedimento sem exame de mérito na forma do art. 485, inciso VI, do Código de Processo Civil, na forma do art. 3° do Código de Processo Penal.

Registro, ainda, que a existência formal de sentença no presente expediente é medida que se impõe para o efetivo controle da gestão da Meta 01 do CNJ, de maneira que o número de processos distribuídos seja apto a acarretar o mesmo número de sentenças. O contrário (encerramento do processo sem sentença formal) redundaria em severa deturpação dos números já que a quantidade de ingressos sempre seria maior do que a de sentenças proferidas, estando em conformidade com o Ato Normativo conjunto n° 005/2015. Intimem-se o requerido e a requerente da presente decisão. Dê-se ciência ao Ministério Público e aos advogados constituídos. Em seguida, arquivem-se com as cautelas de estilo.




NOVA VENÉCIA, 4 DE SETEMBRO DE 2019

IZAURA RODRIGUES DE FREITAS CAMPANA
CHEFE DE SECRETARIA