view: contents - template: fulltext
DOM 01
SEG02
TER03
QUA04
QUI05
SEX06
SAB 07
DOM 08
SEG09
TER10
QUA11
QUI12
SEX13
SAB 14
DOM 15
SEG16
TER17
QUA18
QUI19
SEX20
SAB 21
DOM 22
SEG23
TER24
QUA25
QUI26
SEX27
SAB 28
DOM 29
SEG30
Versão revista

Lista 0108/2019

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO
VILA VELHA - 1ª VARA CRIMINAL

JUIZ(A) DE DIREITO: DRº JOSE AUGUSTO FARIAS DE SOUZA
PROMOTOR(A) DE JUSTIÇA: DRº JOAO ALBERTO CALVAO GONCALVES
CHEFE DE SECRETARIA: VALERIA DE BARROS SANTOS


Lista: 0108/2019


1 - 0027979-03.2018.8.08.0035 - Procedimento Especial da Lei Antitóxicos
Autor: MINISTÉRIO PUBLICO DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO
Réu: WELIS MAGALHAES DOS SANTOS JUNIOR e outros

Intimo os(as) Drs(as) advogados(as)
Advogado(a): 14101/ES - CARLOS EDUARDO DE CARVALHO NEGRAO
Réu: WELIS MAGALHAES DOS SANTOS JUNIOR
Advogado(a): 14589/ES - LEONARDO DA ROCHA DE SOUZA
Réu: DAVI MAGALHAES DOS SANTOS
Advogado(a): 25286/ES - VLADIA ALBUQUERQUE DE ALMEIDA E CARVALHO FREITAS
Réu: DAVI MAGALHAES DOS SANTOS
instrução e julgamento designada nos autos da supra ação mencionada, que será realizada na sala de audiências do Fórum de VILA VELHA - 1ª VARA CRIMINAL, no dia 23/10/2019 às 15:00, situada no(a) FÓRUM DES. AFONSO CLÁUDIO
RUA DOUTOR ANNOR DA SILVA, S/Nº - BOA VISTA II - VILA VELHA - ES - CEP: 29107-355


2 - 0011012-77.2018.8.08.0035 - Ação Penal - Procedimento Ordinário
Autor: MINISTÉRIO PUBLICO DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO
Testemunha Autor: SANDRO VICHI ANDRE
Réu: THIAGO HENRIQUE DA SILVA OLIVEIRA e outros

Intimo os(as) Drs(as) advogados(as)
Advogado(a): 23022/ES - RENATO CINTRA
Réu: ALEXANDRE DA SILVA DE ARQUINO
Réu: THIAGO HENRIQUE DA SILVA OLIVEIRA

Para tomar ciência da decisão:
I – DA REVOGAÇÃO DO DECRETO DE PRISÃO PREVENTIVA   Cuida-se de pedido de revogação do decreto de prisão preventiva formulado pela defesa do acusado THIAGO HENRIQUE DA SILVA OLIVEIRA. Em apertada síntese, alega que o réu preenche os requisitos para concessão de liberdade provisória, sendo que o causídico se compromete em apresentar o acusado para ser interrogado perante este Juízo, sem que haja necessidade de expedição de carta precatória, sustentando, ainda, que a participação do acusado nos fatos descritos na denúncia foi de menor importância e não subsistem razões para a efetivação de sua prisão.   Instado a se manifestar, oportunamente, o ilustre Promotor, opinou pelo indeferimento do pedido, mencionando, para tanto, que não existem motivos que autorizam a revogação da prisão do acusado, sendo que a defesa não teria trazido aos autos nenhum fato superveniente capaz de alterar o entendimento anterior, além de que, ao evadir-se do distrito da culpa, o acusado em muito teria prejudicado o andamento das investigações e o regular prosseguimento do feito.   É o breve relatório, decido.   Faz mister relatar que a prisão preventiva só pode ser decretada quando estiverem presentes todos os pressupostos autorizativos para a adoção da segregação, entre eles o fumus boni iuris ou fumus comissi delicti, quer seja a prova da existência do crime (materialidade) e os indícios de autoria, sendo que seus fundamentos se agasalham no periculum in mora, identificado pelo processo penal e doutrina como periculum libertatis, ou seja, garantia da ordem pública, da ordem econômica, por conveniência da instrução criminal, e para assegurar a aplicação da Lei Penal. Nesse sentido, cumpre transcrever os artigos 312 e 313 do Código de Processo Penal:   Art. 312. A prisão preventiva poderá ser decretada como garantia da ordem pública, da ordem econômica, por conveniência da instrução criminal, ou para assegurar a aplicação da lei penal, quando houver prova da existência do crime e indício suficiente de autoria.   Parágrafo único. A prisão preventiva também poderá ser decretada em caso de descumprimento de qualquer das obrigações impostas por força de outras medidas cautelares (art. 282, § 4o).   Art. 313. Nos termos do art. 312 deste Código, será admitida a decretação da prisão preventiva:   I - nos crimes dolosos punidos com pena privativa de liberdade máxima superior a 4 (quatro) anos;   II - se tiver sido condenado por outro crime doloso, em sentença transitada em julgado, ressalvado o disposto no inciso I do caput do art. 64 do Decreto-Lei no 2.848, de 7 de dezembro de 1940 - Código Penal;   III - se o crime envolver violência doméstica e familiar contra a mulher, criança, adolescente, idoso, enfermo ou pessoa com deficiência, para garantir a execução das medidas protetivas de urgência;   Parágrafo único. Também será admitida a prisão preventiva quando houver dúvida sobre a identidade civil da pessoa ou quando esta não fornecer elementos suficientes para esclarecê-la, devendo o preso ser colocado imediatamente em liberdade após a identificação, salvo se outra hipótese recomendar a manutenção da medida.   Nesse trilhar, no que tange ao fumus boni iuris, reputo a que os elementos de convicção são induvidosos, eis que o presente caderno investigativo é bastante completo à luz das exigências legalmente existentes, vez que sua formulação se pautou em largos indícios de prova da existência do delito (Inquérito Policial, Boletim Unificado, auto de apreensão, depoimentos das testemunhas e dos policiais na esfera policial, além de interrogatório prestado em juízo pelo corréu Lucas Tadeu no processo originário), e, indícios de autoria.   No tocante ao periculum libertatis, todavia, certo é que a custódia cautelar do acusado Thiago, na presente oportunidade, não se justifica com escopo de garantir a ordem pública ou assegurar a aplicação da lei penal, não havendo motivos para que subsista o decreto de prisão preventiva anteriormente decretada nos autos do processo, haja vista que já adiantada a instrução criminal e pendente somente o interrogatório do réu, sendo certo que, assim como ocorrera com a soltura do corréu Alexandre, a revogação do decreto de prisão viabilizará o compromisso assumido pelo causídico de trazer o réu Thiago, o qual se encontra atualmente foragido, para ser interrogado perante este Juízo em data a ser designada adiante. Nesse sentido:   Art. 316. O juiz poderá revogar a prisão preventiva se, no correr do processo, verificar a falta de motivo para que subsista, bem como de novo decretá-la, se sobrevierem razões que a justifiquem.   Com estribo nas diretrizes elencadas pelo art. 316, do Código de Processo Penal, entendo, em consonância com o pedido formulado pelo patrono do acusado, que na atual conjuntura não mais persistem os motivos ensejadores que anteriormente viabilizaram o decreto de prisão preventiva do acusado, tendo em vista o adiantar da instrução criminal.   Em que pese o parecer ministerial, entendo que, por conveniência da instrução criminal, a revogação de prisão do réu nesse momento do processo seria medida compatível, hábil e suficiente a garantir a conclusão da instrução com o devido interrogatório do réu, motivo pelo qual não deve subsistir, por ora, a custódia cautelar.   Assim sendo, REVOGO O DECRETO DE PRISÃO PREVENTIVA do acusado THIAGO HENRIQUE DA SILVA OLIVEIRA e substituí-la por algumas restrições de cunho cautelar, todas com arrimo naquilo que dispõe o art. 319, do atualizado Código de Processo Penal. Vejamos:   1º - Comparecimento aos atos processuais designados por este Juízo; 2º - Proibição de mudar de endereço, sem prévia comunicação e autorização deste Juízo, conforme leciona o inc. IV, do artigo em utilização; 3º - Recolhimento domiciliar no período noturno das 23:00h às 05:00h.   Determino o imediato recolhimento do mandado de prisão expedido, devendo o causídico deste réu providenciar para que o mesmo compareça ao ato do interrogatório abaixo designado.   Notifique o acusado Thiago, que o benefício ora lhe concedido poderá ser revogado caso deixe ele de cumprir as determinações acima impostas, bem como por motivo de nova transgressão, como descreve o parágrafo único, do art. 312, do CPP.   Cientifique o acusado de que deverá comparecer em cartório no primeiro dia útil após ser colocado em liberdade para firmar o termo de compromisso, munido de comprovante de residência, carteira de identidade e título de eleitor.   Dê-se ciência à defesa e ao MP.   II – DA DESIGNAÇÃO DE AUDIÊNCIA EM CONTINUAÇÃO   Diante da revogação da prisão decretada em desfavor do acusado Thiago, e considerando que as demais testemunhas já foram ouvidas, conforme termo de assentada à fl. 487, designo AIJ em continuação para interrogatório dos acusados para o dia 16 de Outubro de 2019 às 15:00 horas.   Dê-se ciência à acusação e à defesa.   Intime-se. Requisite-se. Diligencie-se.


3 - 0013638-74.2015.8.08.0035 - Procedimento Especial da Lei Antitóxicos
Autor: MINISTÉRIO PUBLICO DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO
Réu: JONATHAN ALMEIDA LOPES

Intimo os(as) Drs(as) advogados(as)
Advogado(a): 23022/ES - RENATO CINTRA
Réu: JONATHAN ALMEIDA LOPES
Advogado(a): 17871/ES - RICARDO LUIZ DE OLIVEIRA ROCHA FILHO
Réu: JONATHAN ALMEIDA LOPES

Para tomar ciência do despacho:
Compulsando os autos, verifico que este processo é fruto do desmembramento nos autos de nº 0003487-49.2015.8.08.0035, em relação ao acusado Jonathan Almeida Lopes, que se encontra foragido da justiça.   Sendo assim, considerando que a denúncia já fora recebida às fls 2.140/2.144, considerando, ainda, que há procuração acostada à fl. 2.059 e recentemente às fls. 2.296/2.297, na qual constam poderes para praticarem os atos no feito em exame, a qual fora devidamente assinada pelo réu, já tendo sido apresentada resposta à acusação em seu favor às fls. 2.159/2.165, e visando dar regular prosseguimento ao feito, designo audiência de instrução e julgamento para o dia 22 de Outubro de 2019 às 15:00 horas.   Ademais, considerando que os autos desmembrados resultaram do desmembramento dos autos originários nº 0003487-49.2015.8.08.0035; considerando que a prisão do acusado Jonathan Almeida Lopes fora decretada naqueles autos originários; considerando que subsistem, ainda, o fumus comissi delicti e o periculum libertatis, evidenciados na existência de indícios de prova da existência do delito e de sua autoria contidos nos autos, bem como na necessidade de assegurar a aplicação da lei penal; verifico a imprescindibilidade da regularização do feito, de modo que deverá a Sr.ª Escrivã promover o lançamento do mandado de prisão em face do réu nestes autos desmembrados e a consequente baixa do mandado do acusado supramencionado naqueles autos originários, evitando-se assim a duplicidade do mandado de prisão e a regularização do feito desmembrado.   Diligencie-se esta Escrivania para a realização do ato, intimando as partes, testemunhas e advogados para ciência e para comparecerem ao ato acima designado. Cite-se o denunciado mediante edital, conforme o rito da Lei nº 11.343/06.   Intime-se. Requisite-se. Diligencie-se.


4 - 0005478-21.2019.8.08.0035 - Procedimento Especial da Lei Antitóxicos
Autor: MINISTÉRIO PUBLICO DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO
Testemunha Autor: VITOR ASSUNÇÃO ABISSULO
Testemunha Réu: ELISABETH LOPES DE SOUZA e outros
Réu: JHEFERSON BRITO DA ROCHA e outros

Intimo os(as) Drs(as) advogados(as)
Advogado(a): 18939/ES - DEIVID PIRES NOVAIS
Réu: ADRIANA CRISTINA ASSUNCAO DA SILVA
Réu: MICHEL ASSUNCAO DA SILVA ABISSULO

Para tomar ciência do despacho:
Diante da petição de fls. 157/160, formulada pelo causídico constituído pelos acusados ADRIANA CRISTINA ASSUNÇÃO DA SILVA e MICHEL ASSUNÇÃO DA SILVA ABISSULO, e tendo em vista os documentos juntados em anexo, noto que a defesa do denunciado comprovou motivo justo para redesignação da AIJ.   Deste modo, DEFIRO o pedido formulado e REDESIGNO a AIJ para o dia 10 de Outubro de 2019 às 14:00 horas.   Expeçam-se os competentes mandados e intimações para dar ciência da redesignação.   Cite-se e intime-se na forma da Lei nº 11.343/06. Caso necessário, expeça-se os competentes mandados por meio de Oficial de Justiça de PLANTÃO, ante a proximidade da audiência designada.   Requisite-se. Intime-se. Diligencie-se.


5 - 0020423-47.2018.8.08.0035 - Ação Penal - Procedimento Ordinário
Autor: MINISTÉRIO PUBLICO DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO
Vítima: A SOCIEDADE
Réu: SAULO DA SILVA ABNER

Intimo os(as) Drs(as) advogados(as)
Advogado(a): 27833/ES - HILO JOSE DE FREITAS MOURA
Réu: SAULO DA SILVA ABNER
PARA APRESENTAR MEMORIAIS NO PRAZO DE LEI.




VILA VELHA, 18 DE SETEMBRO DE 2019

VALERIA DE BARROS SANTOS
CHEFE DE SECRETARIA