view: contents - template: fulltext
DOM 01
SEG02
TER03
QUA04
QUI05
SEX06
SAB 07
DOM 08
SEG09
TER10
QUA11
QUI12
SEX13
SAB 14
DOM 15
SEG16
TER17
QUA18
QUI19
SEX20
SAB 21
DOM 22
SEG23
TER24
QUA25
QUI26
SEX27
SAB 28
DOM 29
SEG30
Versão revista

Lista 0157/2019

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO
VILA VELHA - 3ª VARA CRIMINAL

JUIZ(A) DE DIREITO: DRº ADRIANA COSTA DE OLIVEIRA
PROMOTOR(A) DE JUSTIÇA: DRº MOEMA FERREIRA GIUBERTI CORADINI
CHEFE DE SECRETARIA: JOSENITA DA COSTA ALTAFIM DALLEPRANE


Lista: 0157/2019


1 - 0005598-98.2018.8.08.0035 - Procedimento Especial da Lei Antitóxicos
Autor: O MINISTERIO PUBLICO DE VILA VELHA
Vítima: A SOCIEDADE
Réu: CATILENE MARIA OLIVEIRA DOS ANJOS

Intimo os(as) Drs(as) advogados(as)
Advogado(a): 3117/ES - JOSE CARLOS GOMES
Réu: CATILENE MARIA OLIVEIRA DOS ANJOS
Para ciência de que foi designada audiência de instrução (interrogatório da acusada),  nos autos da Carta Precatória nº 0004765-88.2019.8.08.0021, a qual será realizada na sala de audiências da 3ª VARA CRIMINAL do Fórum de GUARAPARI, no dia 03/10/2019, às 14h35.


2 - 0005463-52.2019.8.08.0035 - Ação Penal - Procedimento Ordinário
Autor: O MINISTERIO PUBLICO DE VILA VELHA
Vítima: DANIELA COSTA BASSETI PEDRONI e outros
Réu: BRUNO DIAS PAIVA

Intimo os(as) Drs(as) advogados(as)
Advogado(a): 25687/ES - THIAGO PEREIRA SERAFIM
Réu: BRUNO DIAS PAIVA
PARA APRESENTAR ALEGAÇÕES FINAIS, NO PRAZO DE 05 (CINCO) DIAS.


3 - 0018656-37.2019.8.08.0035 - Procedimento Especial da Lei Antitóxicos
Autor: O MINISTERIO PUBLICO DE VILA VELHA
Vítima: A SOCIEDADE
Réu: ENY MARLEY CARREIRO PAULINO e outros

Intimo os(as) Drs(as) advogados(as)
Advogado(a): 21252/ES - PEDRO ALVES DA SILVA
Réu: LAIRANI MILA DA CRUZ

Para tomar ciência da decisão:
  O Ministério Público ofertou Denúncia em desfavor de LAIRANI MILA DA CRUZ e de ENY MARLEY CARREIRO PAULINO face o cometimento, em tese, dos delitos previstos nos artigos 33 e 40, III, da Lei nº 10.826/03.   A prisão em flagrante dos acusados, efetivada em 31 de julho de 2019, foi convertida em prisão preventiva, em Audiência de Custódia.   A Defesa da Acusada requereu a revogação da preventiva, tendo o IRMP se manifestado contrariamente.   No novo sistema introduzido pela Lei 12.403/11, a prisão cautelar apenas será decretada ou mantida quando, presentes os requisitos da prisão preventiva, não for possível a sua substituição por outra medida cautelar, sendo de se analisar, por óbvio, se é o caso de se conceder a liberdade provisória.   A utilização da prisão cautelar deve ser voltada à garantia da obtenção de um resultado útil ao processo, é dizer, sua decretação depende da verificação da presença dos requisitos da prisão preventiva, sendo esta o único meio idôneo para resguardar a integridade processual, eis que, acaso exista alguma medida cautelar hábil a atingir os mesmos fins, deve ser esta, ao menos de início, a medida utilizada.   Entendo, que, por ora, nos presentes autos, a prisão se justificou, face a gravidade, in abstrato, dos delitos imputados a acusada.   Contudo, tratando-se de acusada primária, não verifico ser este mais o único meio hábil a se acautelar a ordem pública, garantindo a aplicação da lei penal, face a previsão de medidas cautelares voltadas a esse fim, motivo pelo qual tenho por cabível a concessão de liberdade provisória, aplicando-se as necessárias medidas cautelares do art. 319, do CPP, como bem determinado pelo art. 282, I e II, do CPP.   Nestes termos, CONCEDO a LAIRANI MILA DA CRUZ, nos autos qualificada, o benefício da LIBERDADE PROVISÓRIA, restando sujeito às obrigações dos arts. 327 e 328, do CPP, e, advirto-a, desde já, que o descumprimento de qualquer das condições, importará nas sanções do art. 282, § 4º, do CPP.   Aplico como medida cautelar alternativa a prisão o comparecimento periódico em Juízo, até o 10º dia do mês, para informar e justificar suas atividades, nos termos do artigo 319, I, do CPP, bem como o recolhimento domiciliar no período noturno (20h às 06h) e nos dias de folga, nos termos do artigo 319, V, do CPP.   Aplico, ademais, a proibição de frequentar qualquer unidade prisional deste Estado.   Expeça-se o competente Alvará de Soltura, pondo-a imediatamente em liberdade, se por AL não se encontrar presa.   Em cinco dias, se não efetivada a ordem de soltura, notifique-se a D. Autoridade Policial, encaminhando-se, inclusive via fax, para que, em 24 horas, cumpra a ordem de soltura e, no mesmo prazo, comunique a este juízo, sob as penas da lei.     Confirmada a soltura, proceder as devidas baixas, inclusive junto ao BNMP 2.0.   Adote-se as necessárias diligências para imediato encaminhamento do Laudo Químico.   Notifiquem-se os denunciados para apresentarem defesa prévia, nos moldes do art. 55, da Lei 11.343/06.   Não sendo constituído advogado ou declarando-se pobre no sentido da lei, fica nomeado para proceder-lhe a defesa do acusado a DD. Defensor Público com atribuições nesta vara, que deverá, então, ser intimado do encargo e para apresentar a competente peça processual.   Intime-se, para os mesmos fins, o patrono constituído pela acusada.


4 - 0086135-62.2010.8.08.0035 (035.10.086135-6) - Ação Penal - Procedimento Ordinário
Autor: O MINISTERIO PUBLICO DE VILA VELHA
Vítima: A SOCIEDADE
Testemunha Autor: JUDSON DE MATOS e outros
Réu: JOSE FERREIRA DA SILVA

Intimo os(as) Drs(as) advogados(as)
Advogado(a): 10140/ES - ERICA FERREIRA NEVES
Réu: JOSE FERREIRA DA SILVA

Para tomar ciência do despacho:
  Não cabe ao Juízo a diligência e sim a DD. subscritora da peça de fls. 357, comprovar o cumprimento do art. 112 do NCPC, sob pena de continuar no patrocínio da defesa.    




VILA VELHA, 19 DE SETEMBRO DE 2019

JOSENITA DA COSTA ALTAFIM DALLEPRANE
CHEFE DE SECRETARIA