view: contents - template: fulltext
TER01
QUA02
QUI03
SEX04
SAB 05
DOM 06
SEG07
TER08
QUA09
QUI10
SEX11
SAB 12
DOM 13
SEG14
TER15
QUA16
QUI17
SEX18
SAB 19
DOM 20
SEG21
TER22
QUA23
QUI24
SEX25
SAB 26
DOM 27
SEG28
TER29
QUA30
QUI31
Versão revista

Lista 0108/2019

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO
COLEGIADO RECURSAL - 3ª TURMA RECURSAL
 
Lista: 0108/2019


1 - 0003080-28.2018.8.08.0006 - Recurso Inominado
Recorrente: MUNICIPIO DE ARACRUZ
Requerente: DINAURIA BOF
Recorrido: DINAURIA BOF
Requerido: MUNICIPIO DE ARACRUZ

Intimo os(as) Drs(as) advogados(as)
Advogado(a): 14517/ES - DIEGO GAIGHER GARCIA
Requerido: MUNICIPIO DE ARACRUZ
Recorrente: MUNICIPIO DE ARACRUZ
Advogado(a): 15844/ES - NATHALIA CORREA STEFENONI
Requerente: DINAURIA BOF
Recorrido: DINAURIA BOF

Para tomar ciência da decisão:
Com essa motivação, NEGO SEGUIMENTO aos embargos opostos.


2 - 0010669-17.2018.8.08.0024 - Recurso Inominado
Recorrente: MARCOS JOSE TOREZANI
Requerente: MARCOS JOSE TOREZANI
Recorrido: DETRAN ES
Requerido: DETRAN ES

Intimo os(as) Drs(as) advogados(as)
Advogado(a): 12616/ES - DANIEL PIMENTEL CORREA SANTOS
Requerido: DETRAN ES
Recorrido: DETRAN ES
Advogado(a): 15022/ES - JORGE LUIS RIGO
Requerente: MARCOS JOSE TOREZANI
Recorrente: MARCOS JOSE TOREZANI

Para tomar ciência da decisão:
Ante o exposto, NÃO CONHEÇO DO RECURSO interposto, por ausência de preparo, razão pela qual mantenho incólume a r. sentença. Condeno o Recorrente ao pagamento de custas processuais e honorários advocatícios que fixo em 20% sobre o valor da causa corrigido.


3 - 0002671-95.2018.8.08.0024 - Recurso Inominado
Recorrente: MUNICIPIO DE VITORIA
Requerente: DEBORA SIMOES SANTOS
Recorrido: DEBORA SIMOES SANTOS
Requerido: MUNICIPIO DE VITORIA

Intimo os(as) Drs(as) advogados(as)
Advogado(a): 18514/ES - ALOYR RODRIGUES NETO
Recorrido: DEBORA SIMOES SANTOS
Requerente: DEBORA SIMOES SANTOS
Advogado(a): 007108/ES - MARCIA ALESSANDRA CORREA
Recorrente: MUNICIPIO DE VITORIA
Requerido: MUNICIPIO DE VITORIA
Advogado(a): 30577/ES - RENAN REBULI PIRES NEGREIROS
Recorrido: DEBORA SIMOES SANTOS
Requerente: DEBORA SIMOES SANTOS

Para tomar ciência da decisão:
Tratam-se de Embargos de Declaração opostos pela parte autora em face de acórdão que conheceu e deu provimento ao Recurso Inominado interposto pelo Município.   Em suas razões recursais, o embargante aponta que o Julgado padece de omissão, por não levar em consideração uma alteração legislativa na Lei municipal 7.663/08 e contradição com entendimento da 1ª Turma Recursal sobre a matéria discutida.   Pois bem, os embargos de declaração são cabíveis nos casos previstos no art. 1.022, do CPC/2015, ou seja, para sanar obscuridade, contradição ou omissão e corrigir erro material eventualmente existente no acórdão questionado, conforme preceitua o art. 48 da Lei n. 9.099/95, com nova redação que lhe foi dada pela Lei nº 13.105/2015.   Quanto a suposta contradição alegada, entendo tratar-se de caso de entendimentos diferentes entre as Turmas Recursais, e não de contradição.   Em relação a suposta omissão, importa salientar que deve a parte que alega direito municipal, estadual, estrangeiro ou consutudinário comprovar-lhes o teor e a vigência, o que não fez a embargante, seja na Inicial, seja nas Contrarrazões, momentos oportunos para tanto. Em verdade, sequer levantou os dispositivos e alterações legislativas nas oportunidades de manifestação anteriores.   O Acórdão embargado encontra-se robustamente fundamentado, sem contradições ou omissões a serem sanadas, não se enquadrando em quaisquer das hipóteses que dão ensejo à oposição dos presentes embargos de declaração.   Nitidamente o que pretende a recorrente é modificar a decisão de mérito por força dos Embargos de Declaração, por não concordar com a solução apontada por esta 3ª Turma Recursal, haja vista a ausência de qualquer imprecisão no Acórdão exarado.   Assim, certo é que o julgado embargado não contém omissão, contradição ou dúvida, porque já foram enfrentadas quando do julgamento pelo Órgão Colegiado, todas as questões debatidas pelas partes, estando resposta do Juízo adequada, clara e coerente com a demanda e os elementos probatórios.   Com essa motivação, NÃO CONHEÇO dos embargos opostos.


4 - 0002344-53.2018.8.08.0024 - Recurso Inominado
Recorrente: MUNICIPIO DE VITORIA
Requerente: KATIUSCIA NUNES AVANCINI CALLEGARI
Recorrido: KATIUSCIA NUNES AVANCINI CALLEGARI
Requerido: MUNICIPIO DE VITORIA

Intimo os(as) Drs(as) advogados(as)
Advogado(a): 18514/ES - ALOYR RODRIGUES NETO
Requerente: KATIUSCIA NUNES AVANCINI CALLEGARI
Recorrido: KATIUSCIA NUNES AVANCINI CALLEGARI
Advogado(a): 007108/ES - MARCIA ALESSANDRA CORREA
Recorrente: MUNICIPIO DE VITORIA
Requerido: MUNICIPIO DE VITORIA

Para tomar ciência da decisão:
Tratam-se de Embargos de Declaração opostos pela parte autora em face de acórdão que conheceu e deu provimento ao Recurso Inominado interposto pelo Município.   Em suas razões recursais, o embargante aponta que o Julgado padece de omissão, por não levar em consideração uma alteração legislativa na Lei municipal 7.663/08 e contradição com entendimento da 1ª Turma Recursal sobre a matéria discutida.   Pois bem, os embargos de declaração são cabíveis nos casos previstos no art. 1.022, do CPC/2015, ou seja, para sanar obscuridade, contradição ou omissão e corrigir erro material eventualmente existente no acórdão questionado, conforme preceitua o art. 48 da Lei n. 9.099/95, com nova redação que lhe foi dada pela Lei nº 13.105/2015.   Quanto a suposta contradição alegada, entendo tratar-se de caso de entendimentos diferentes entre as Turmas Recursais, e não de contradição.   Em relação a suposta omissão, importa salientar que deve a parte que alega direito municipal, estadual, estrangeiro ou consutudinário comprovar-lhes o teor e a vigência, o que não fez a embargante, seja na Inicial, seja nas Contrarrazões, momentos oportunos para tanto. Em verdade, sequer levantou os dispositivos e alterações legislativas nas oportunidades de manifestação anteriores.   O Acórdão embargado encontra-se robustamente fundamentado, sem contradições ou omissões a serem sanadas, não se enquadrando em quaisquer das hipóteses que dão ensejo à oposição dos presentes embargos de declaração.   Nitidamente o que pretende a recorrente é modificar a decisão de mérito por força dos Embargos de Declaração, por não concordar com a solução apontada por esta 3ª Turma Recursal, haja vista a ausência de qualquer imprecisão no Acórdão exarado.   Assim, certo é que o julgado embargado não contém omissão, contradição ou dúvida, porque já foram enfrentadas quando do julgamento pelo Órgão Colegiado, todas as questões debatidas pelas partes, estando resposta do Juízo adequada, clara e coerente com a demanda e os elementos probatórios.   Com essa motivação, NÃO CONHEÇO dos embargos opostos.


5 - 0004631-86.2018.8.08.0024 - Recurso Inominado
Recorrente: MUNICIPIO DE VITORIA
Requerente: SORAHIA GUARACY MOREIRA DA SILVA
Recorrido: SORAHIA GUARACY MOREIRA DA SILVA
Requerido: MUNICIPIO DE VITORIA

Intimo os(as) Drs(as) advogados(as)
Advogado(a): 18514/ES - ALOYR RODRIGUES NETO
Requerente: SORAHIA GUARACY MOREIRA DA SILVA
Recorrido: SORAHIA GUARACY MOREIRA DA SILVA
Advogado(a): 007108/ES - MARCIA ALESSANDRA CORREA
Recorrente: MUNICIPIO DE VITORIA
Requerido: MUNICIPIO DE VITORIA

Para tomar ciência da decisão:
Tratam-se de Embargos de Declaração opostos pela parte autora em face de acórdão que conheceu e deu provimento ao Recurso Inominado interposto pelo Município.   Em suas razões recursais, o embargante aponta que o Julgado padece de omissão, por não levar em consideração uma alteração legislativa na Lei municipal 7.663/08 e contradição com entendimento da 1ª Turma Recursal sobre a matéria discutida.   Pois bem, os embargos de declaração são cabíveis nos casos previstos no art. 1.022, do CPC/2015, ou seja, para sanar obscuridade, contradição ou omissão e corrigir erro material eventualmente existente no acórdão questionado, conforme preceitua o art. 48 da Lei n. 9.099/95, com nova redação que lhe foi dada pela Lei nº 13.105/2015.   Quanto a suposta contradição alegada, entendo tratar-se de caso de entendimentos diferentes entre as Turmas Recursais, e não de contradição.   Em relação a suposta omissão, importa salientar que deve a parte que alega direito municipal, estadual, estrangeiro ou consutudinário comprovar-lhes o teor e a vigência, o que não fez a embargante, seja na Inicial, seja nas Contrarrazões, momentos oportunos para tanto. Em verdade, sequer levantou os dispositivos e alterações legislativas nas oportunidades de manifestação anteriores.   O Acórdão embargado encontra-se robustamente fundamentado, sem contradições ou omissões a serem sanadas, não se enquadrando em quaisquer das hipóteses que dão ensejo à oposição dos presentes embargos de declaração.   Nitidamente o que pretende a recorrente é modificar a decisão de mérito por força dos Embargos de Declaração, por não concordar com a solução apontada por esta 3ª Turma Recursal, haja vista a ausência de qualquer imprecisão no Acórdão exarado.   Assim, certo é que o julgado embargado não contém omissão, contradição ou dúvida, porque já foram enfrentadas quando do julgamento pelo Órgão Colegiado, todas as questões debatidas pelas partes, estando resposta do Juízo adequada, clara e coerente com a demanda e os elementos probatórios.   Com essa motivação, NÃO CONHEÇO dos embargos opostos.


6 - 0003133-52.2018.8.08.0024 - Recurso Inominado
Recorrente: MUNICIPIO DE VITORIA
Requerente: NATALIA RACKEL ROSA DE SOUZA
Recorrido: NATALIA RACKEL ROSA DE SOUZA
Requerido: MUNICIPIO DE VITORIA

Intimo os(as) Drs(as) advogados(as)
Advogado(a): 18514/ES - ALOYR RODRIGUES NETO
Requerente: NATALIA RACKEL ROSA DE SOUZA
Recorrido: NATALIA RACKEL ROSA DE SOUZA
Advogado(a): 007108/ES - MARCIA ALESSANDRA CORREA
Recorrente: MUNICIPIO DE VITORIA
Requerido: MUNICIPIO DE VITORIA

Para tomar ciência da decisão:
EMBARGANTE: NATALIA RACKEL ROSA DE SOUZA EMBARGADO: MUNICÍPIO DE VITÓRIA RELATOR: O SR. JUIZ DE DIREITO THIAGO VARGAS CARDOSO       DECISÃO MONOCRÁTICA     Tratam-se de Embargos de Declaração opostos pela parte autora em face de acórdão que conheceu e deu provimento ao Recurso Inominado interposto pelo Município.   Em suas razões recursais, o embargante aponta que o Julgado padece de omissão, por não levar em consideração uma alteração legislativa na Lei municipal 7.663/08 e contradição com entendimento da 1ª Turma Recursal sobre a matéria discutida.   Pois bem, os embargos de declaração são cabíveis nos casos previstos no art. 1.022, do CPC/2015, ou seja, para sanar obscuridade, contradição ou omissão e corrigir erro material eventualmente existente no acórdão questionado, conforme preceitua o art. 48 da Lei n. 9.099/95, com nova redação que lhe foi dada pela Lei nº 13.105/2015.   Quanto a suposta contradição alegada, entendo tratar-se de caso de entendimentos diferentes entre as Turmas Recursais, e não de contradição.   Em relação a suposta omissão, importa salientar que deve a parte que alega direito municipal, estadual, estrangeiro ou consutudinário comprovar-lhes o teor e a vigência, o que não fez a embargante, seja na Inicial, seja nas Contrarrazões, momentos oportunos para tanto. Em verdade, sequer levantou os dispositivos e alterações legislativas nas oportunidades de manifestação anteriores.   O Acórdão embargado encontra-se robustamente fundamentado, sem contradições ou omissões a serem sanadas, não se enquadrando em quaisquer das hipóteses que dão ensejo à oposição dos presentes embargos de declaração.   Nitidamente o que pretende a recorrente é modificar a decisão de mérito por força dos Embargos de Declaração, por não concordar com a solução apontada por esta 3ª Turma Recursal, haja vista a ausência de qualquer imprecisão no Acórdão exarado.   Assim, certo é que o julgado embargado não contém omissão, contradição ou dúvida, porque já foram enfrentadas quando do julgamento pelo Órgão Colegiado, todas as questões debatidas pelas partes, estando resposta do Juízo adequada, clara e coerente com a demanda e os elementos probatórios.   Com essa motivação, NÃO CONHEÇO dos embargos opostos.


7 - 0002919-61.2018.8.08.0024 - Recurso Inominado
Recorrente: MUNICIPIO DE VITORIA
Requerente: SIMONE DA SILVA SANT ANNA
Recorrido: SIMONE DA SILVA SANT ANNA
Requerido: MUNICIPIO DE VITORIA

Intimo os(as) Drs(as) advogados(as)
Advogado(a): 18514/ES - ALOYR RODRIGUES NETO
Recorrido: SIMONE DA SILVA SANT ANNA
Requerente: SIMONE DA SILVA SANT ANNA
Advogado(a): 007108/ES - MARCIA ALESSANDRA CORREA
Recorrente: MUNICIPIO DE VITORIA
Requerido: MUNICIPIO DE VITORIA

Para tomar ciência da decisão:
Tratam-se de Embargos de Declaração opostos pela parte autora em face de acórdão que conheceu e deu provimento ao Recurso Inominado interposto pelo Município.   Em suas razões recursais, o embargante aponta que o Julgado padece de omissão, por não levar em consideração uma alteração legislativa na Lei municipal 7.663/08 e contradição com entendimento da 1ª Turma Recursal sobre a matéria discutida.   Pois bem, os embargos de declaração são cabíveis nos casos previstos no art. 1.022, do CPC/2015, ou seja, para sanar obscuridade, contradição ou omissão e corrigir erro material eventualmente existente no acórdão questionado, conforme preceitua o art. 48 da Lei n. 9.099/95, com nova redação que lhe foi dada pela Lei nº 13.105/2015.   Quanto a suposta contradição alegada, entendo tratar-se de caso de entendimentos diferentes entre as Turmas Recursais, e não de contradição.   Em relação a suposta omissão, importa salientar que deve a parte que alega direito municipal, estadual, estrangeiro ou consutudinário comprovar-lhes o teor e a vigência, o que não fez a embargante, seja na Inicial, seja nas Contrarrazões, momentos oportunos para tanto. Em verdade, sequer levantou os dispositivos e alterações legislativas nas oportunidades de manifestação anteriores.   O Acórdão embargado encontra-se robustamente fundamentado, sem contradições ou omissões a serem sanadas, não se enquadrando em quaisquer das hipóteses que dão ensejo à oposição dos presentes embargos de declaração.   Nitidamente o que pretende a recorrente é modificar a decisão de mérito por força dos Embargos de Declaração, por não concordar com a solução apontada por esta 3ª Turma Recursal, haja vista a ausência de qualquer imprecisão no Acórdão exarado.   Assim, certo é que o julgado embargado não contém omissão, contradição ou dúvida, porque já foram enfrentadas quando do julgamento pelo Órgão Colegiado, todas as questões debatidas pelas partes, estando resposta do Juízo adequada, clara e coerente com a demanda e os elementos probatórios.   Com essa motivação, NÃO CONHEÇO dos embargos opostos.


8 - 0002870-20.2018.8.08.0024 - Recurso Inominado
Recorrente: MUNICIPIO DE VITORIA
Requerente: DANIELA MARIA DE JESUS MARTINS FERNANDES
Recorrido: DANIELA MARIA DE JESUS MARTINS FERNANDES
Requerido: MUNICIPIO DE VITORIA

Intimo os(as) Drs(as) advogados(as)
Advogado(a): 18514/ES - ALOYR RODRIGUES NETO
Requerente: DANIELA MARIA DE JESUS MARTINS FERNANDES
Recorrido: DANIELA MARIA DE JESUS MARTINS FERNANDES
Advogado(a): 007108/ES - MARCIA ALESSANDRA CORREA
Recorrente: MUNICIPIO DE VITORIA
Requerido: MUNICIPIO DE VITORIA

Para tomar ciência da decisão:
Tratam-se de Embargos de Declaração opostos pela parte autora em face de acórdão que conheceu e deu provimento ao Recurso Inominado interposto pelo Município.   Em suas razões recursais, o embargante aponta que o Julgado padece de omissão, por não levar em consideração uma alteração legislativa na Lei municipal 7.663/08 e contradição com entendimento da 1ª Turma Recursal sobre a matéria discutida.   Pois bem, os embargos de declaração são cabíveis nos casos previstos no art. 1.022, do CPC/2015, ou seja, para sanar obscuridade, contradição ou omissão e corrigir erro material eventualmente existente no acórdão questionado, conforme preceitua o art. 48 da Lei n. 9.099/95, com nova redação que lhe foi dada pela Lei nº 13.105/2015.   Quanto a suposta contradição alegada, entendo tratar-se de caso de entendimentos diferentes entre as Turmas Recursais, e não de contradição.   Em relação a suposta omissão, importa salientar que deve a parte que alega direito municipal, estadual, estrangeiro ou consutudinário comprovar-lhes o teor e a vigência, o que não fez a embargante, seja na Inicial, seja nas Contrarrazões, momentos oportunos para tanto. Em verdade, sequer levantou os dispositivos e alterações legislativas nas oportunidades de manifestação anteriores.   O Acórdão embargado encontra-se robustamente fundamentado, sem contradições ou omissões a serem sanadas, não se enquadrando em quaisquer das hipóteses que dão ensejo à oposição dos presentes embargos de declaração.   Nitidamente o que pretende a recorrente é modificar a decisão de mérito por força dos Embargos de Declaração, por não concordar com a solução apontada por esta 3ª Turma Recursal, haja vista a ausência de qualquer imprecisão no Acórdão exarado.   Assim, certo é que o julgado embargado não contém omissão, contradição ou dúvida, porque já foram enfrentadas quando do julgamento pelo Órgão Colegiado, todas as questões debatidas pelas partes, estando resposta do Juízo adequada, clara e coerente com a demanda e os elementos probatórios.   Com essa motivação, NÃO CONHEÇO dos embargos opostos.




COLEGIADO RECURSAL - 3ª TURMA RECURSAL, 4 DE OUTUBRO DE 2019

Rita de Cássia Citty Duccini


Chefe de Seção


 

Lista 0109/2019

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO
COLEGIADO RECURSAL - 3ª TURMA RECURSAL
 
Lista: 0109/2019


1 - 0035340-12.2015.8.08.0024 - Recurso Inominado
Recorrente: ISABELA SAITER SANTOS
Requerente: ISABELA SAITER SANTOS
Recorrido: ESTADO DO ESPIRITO SANTO
Requerido: ESTADO DO ESPIRITO SANTO

Intimo os(as) Drs(as) advogados(as)
Advogado(a): 9338/ES - LEONARDO CARVALHO DA SILVA
Recorrido: ESTADO DO ESPIRITO SANTO
Requerido: ESTADO DO ESPIRITO SANTO

INTIMO:

AGRAVO DE INSTRUMENTO NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO NO RECURSO INOMINADO Nº 0035340-12.2015.808.0024
AGVDO: ESTADO DO ESPÍRITO SANTO
ADV. LEONARDO CARVALHO DA SILVA OAB/ES 9.338 - PROCURADOR DO ESTADO
PARA NO PRAZO DE LEI, APRESENTAR CONTRARRAZÕES AO AGRAVO DE INSTRUMENTO NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO NO RECURSO INOMINADO Nº 0035340-12.2015.808.0024.

  COLEGIADO RECURSAL - 3ª TURMA RECURSAL, 4 DE OUTUBRO DE 2019

                                                                                  RITA DE CÁSSIA CITTY DUCCINI
                                                                                                   CHEFE DE SEÇÃO