view: contents - template: fulltext
TER01
QUA02
QUI03
SEX04
SAB 05
DOM 06
SEG07
TER08
QUA09
QUI10
SEX11
SAB 12
DOM 13
SEG14
TER15
QUA16
QUI17
SEX18
SAB 19
DOM 20
SEG21
TER22
QUA23
QUI24
SEX25
SAB 26
DOM 27
SEG28
TER29
QUA30
QUI31
Versão revista

AGUIA BRANCA - VARA ÚNICA
Intimações

Intimação - Diário

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO
PODER JUDICIÁRIO
Juízo de Águia Branca - Vara Única
Rua Dr. Walery Koszarowski, s/nº, Fórum Desembargador Antonio José, Praça dos Três Poderes, ÁGUIA BRANCA - ES - CEP: 29795-000
Telefone:(27) 37451140


PROCESSO Nº 5000044-94.2019.8.08.0057
PROCEDIMENTO DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL (436)
REQUERENTE: ERALDO ANGELI
REQUERIDO: TELEFONICA BRASIL S.A.

Advogadas da REQUERENTE: HELOISA DE RESENDE VIANA - ES31046,
                                                 
   ANALU CAPACIO CUERCI FALCAO - ES19308

INTIMAÇÃO

 Por ordem do Exmo. Dr. CARLOS MAGNO TELLES MM. Juiz de Direito da comarca de Águia Branca - Vara Única do Estado do Espírito Santo, ficam as advogadas supramencionadas intimadas para tomar ciência do inteiro teor da SENTENÇA id n° 2934292. 

SENTENÇA

 

Vistos, etc.

Dispensado o relatório (art. 38, caput, da Lei nº 9.099/95).

Conforme se vê do termo de audiência ID 2552713, as partes firmaram acordo e requerem a homologação do mesmo.

Ante o expresso interesse em ver homologado o acordo assentado na petição ID 2552713, não há que se impor óbice à pretensão requerida, posto que a homologação só tem por fim dar maior solenidade ao ato, até porque o débito já foi quitado pelo requerido.

ANTE O EXPOSTOhomologo por sentença o acordo firmado na petição ID 2552713 e, via de consequência, JULGO EXTINTO o processo, nos termos do art. 487, III, b, do NCPC.

Sem custas e honorários nesta fase processual, nos termos do art. 55, da Lei 9.099/95.

P.R.I. Transitada em julgado, arquive-se.

ÁGUIA BRANCA-ES, 04/10/2019

YARA MARQUES BARBOSA
Analista Judiciária Especial/Chefe de Secretaria

Intimação - Diário

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO
PODER JUDICIÁRIO
Juízo de Águia Branca - Vara Única
Rua Dr. Walery Koszarowski, s/nº, Fórum Desembargador Antonio José, Praça dos Três Poderes, ÁGUIA BRANCA - ES - CEP: 29795-000
Telefone:(27) 37451140


PROCESSO Nº 5000044-94.2019.8.08.0057
PROCEDIMENTO DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL (436)
REQUERENTE: ERALDO ANGELI
REQUERIDO: TELEFONICA BRASIL S.A.

Advogado do REQUERIDO: GILBERTO DE AGUIAR CARVALHO - ES7918

INTIMAÇÃO

 Por ordem do Exmo. Dr. CARLOS MAGNO TELLES MM. Juiz de Direito da comarca de Águia Branca - Vara Única do Estado do Espírito Santo, fica o advogado supramencionado intimado para tomar ciência do inteiro teor da SENTENÇA id n° 2934292. 

SENTENÇA

Vistos, etc.

Dispensado o relatório (art. 38, caput, da Lei nº 9.099/95).

Conforme se vê do termo de audiência ID 2552713, as partes firmaram acordo e requerem a homologação do mesmo.

Ante o expresso interesse em ver homologado o acordo assentado na petição ID 2552713, não há que se impor óbice à pretensão requerida, posto que a homologação só tem por fim dar maior solenidade ao ato, até porque o débito já foi quitado pelo requerido.

ANTE O EXPOSTOhomologo por sentença o acordo firmado na petição ID 2552713 e, via de consequência, JULGO EXTINTO o processo, nos termos do art. 487, III, b, do NCPC.

Sem custas e honorários nesta fase processual, nos termos do art. 55, da Lei 9.099/95.

P.R.I. Transitada em julgado, arquive-se.

 

 

 

 

ÁGUIA BRANCA-ES, 04/10/2019

 

YARA MARQUES BARBOSA
Analista Judiciária Especial/Chefe de Secretaria

Intimação - Diário

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO
PODER JUDICIÁRIO
Juízo de Águia Branca - Vara Única
Rua Dr. Walery Koszarowski, s/nº, Fórum Desembargador Antonio José, Praça dos Três Poderes, ÁGUIA BRANCA - ES - CEP: 29795-000
Telefone:(27) 37451140


PROCESSO Nº 5000019-81.2019.8.08.0057
PROCEDIMENTO DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL (436)
REQUERENTE: ADAILZA BREDA FEDESZEN
REQUERIDO: TELEFONICA BRASIL S.A.

Advogado do REQUERENTE: JOAO VITOR MAI QUIUQUI - ES30022

INTIMAÇÃO

 Por ordem do Exmo. Dr. CARLOS MAGNO TELLES MM. Juiz de Direito da comarca de Águia Branca - Vara Única do Estado do Espírito Santo, fica o advogado supramencionado intimado para tomar ciência do inteiro teor da SENTENÇA id n° 2597481. 

SENTENÇA

Vistos etc.

Dispensado o relatório na forma do art. 38, da Lei nº 9.099/90.

ADAILZA BREDA FEDESZEN propôs ação de indenização por cobrança indevida c/c repetição de indébito e reparação por danos morais em face de VIVO – TELEFÔNICA BRASIL S/A, alegando, em síntese, que em janeiro do corrente realizou uma negociação com a requerida referente a 03 mensalidades que estavam em aberto, tendo realizado o pagamento dos débitos no dia 31/01/2019, entretanto, após o pagamento dos débitos, a requerida continuou a cobrá-los via SMS enviados para o número (27) 99721-5570, nos dias 05/02/2019 e 11/02/2019, sendo tais cobranças indevidas.

Ao que se observa da peça inicial, a autora almeja a restituição em dobro do valor cobrado indevidamente (R$ 107,12), devidamente corrigida, bem como seja a requerida condenada em danos morais, no importe de R$ 30.000,00.

A presente demanda trata de relação de consumo por este motivo, cabível a incidência das normas carreadas pela Lei 8.078/90 (Código de Defesa do Consumidor).

O objeto da lide está fundado no fato de a requerida cobrar valor já pago anteriormente.

Na hipótese sob análise, a parte consumidora é tecnicamente hipossuficiente, autorizando a inversão do ônus da prova em seu favor conforme permitido pelo art. 6º, VIII, do Código de Defesa do Consumidor.

Invertido o ônus da prova, verifica-se que cumpre exclusivamente à requerida demonstrar alguma excludente de sua responsabilidade civil (art. 12, § 3º, I, II e III do Código de Defesa do Consumidor).

Em sua contestação, a requerida alega que a autora não comprova em qual linha foram recebidas as mensagens de cobrança e que as mensagens recebidas são de cobrança da linha de titularidade da autora, a fim de demonstrar a suposta abusividade da cobrança.

Alega, ainda, que agiu no exercício regular de direito, posto que o débito pendente de pagamento são devidos por lógica contraprestação de um serviço contratado e regularmente prestado. Não há que se falar em repetição de indébito a partir da simples cobrança indevida, pois a incidência da sanção pressupõe que além da cobrança indevida ocorra também o seu efetivo pagamento pelo consumidor.

Pois bem. Analisando os autos, verifico pelo documento ID 1964046, que a autora efetuou o pagamento da negociação em 31/01/2019 e o documento ID 1964047 se refere às cobranças enviadas via SMS.

O art. 42, parágrafo único, do CDC, preceitua:

Art. 42. [...]

Parágrafo único. O consumidor cobrado em quantia indevida tem direito à repetição do indébito, por valor igual ao dobro do que pagou em excesso, acrescido de correção monetária e juros legais, salvo hipótese de engano justificável.

Em que pese os argumentos da parte autora, assiste razão à requerida no tocante à comprovação do envio via SMS de cobranças para o celular da filha da autora (ID 1964047), pois tais telas não comprovam para qual linha foram enviadas as mensagens de cobrança, não fazendo jus à restituição em dobro do valor cobrado, até porque, tal valor é fruto de uma renegociação de dívida existente com a requerida, qual seja, 03 mensalidades em atraso.

No tocante ao pedido de dano moral, verifico que tal pedido não merece acolhida, pois, segundo entendimento jurisprudencial, a requerida não expôs a autora a situação vexatória, tampouco inseriu seus dados nos órgãos de proteção ao crédito, causando, tal situação, um mero aborrecimento à parte autora.

AÇÃO DECLARATÓRIA DE INEXIGIBILIDADE DE DÉBITO C/C INDENIZAÇÃO POR DANO MORAL - DÍVIDA PAGA – EXTINÇÃO SEM JULGAMENTO DO MÉRITO – RECURSO DA AUTORA. Cobrança indevida por fatura paga – Posterior reconhecimento da ré que houve falha no repasse da quantia pela lotérica, local onde fora realizado o pagamento pela autora - Dívida reconhecidamente paga - Pedido de indenização por danos morais - Circunstância que não configura hipótese geradora de dano moral indenizável - Ausência de inscrição do nome da autora em cadastros de proteção ao crédito – Sentença mantida - Encargos de mora – Credora que propicia a seu consumidor opção de pagamento não pode furtar-se de eventual prejuízo, que em hipótese alguma pode ser imputado ao consumidor que adimpliu de boa fé – Precedente do STJ – Sentença reformada. Recurso parcialmente provido para afastar a extinção da ação, sem julgamento de mérito, julgando-se parcialmente procedente o pedido, nos termos do artigo 1013§ 1º, do CPC. (APL 1000533-87.2017.8.26.0634).

Isto posto, JULGO IMPROCEDENTE o pedido inicial e, via de consequência, JULGO EXTINTO O PROCESSO, com resolução de mérito, nos termos do art. 487, I do CPC/2015.

Isento de custas e honorários de advogado na forma do art. 55 da Lei 9.099/95.

P.R.I. Transitada em julgado e não havendo novos requerimentos ou pendências, arquivem-se os autos, observando-se as formalidades legais.

ÁGUIA BRANCA-ES, 04/10/2019

YARA MARQUES BARBOSA
Analista Judiciária Especial/Chefe de Secretaria

Intimação - Diário

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO
PODER JUDICIÁRIO
Juízo de Águia Branca - Vara Única
Rua Dr. Walery Koszarowski, s/nº, Fórum Desembargador Antonio José, Praça dos Três Poderes, ÁGUIA BRANCA - ES - CEP: 29795-000
Telefone:(27) 37451140


PROCESSO Nº 5000019-81.2019.8.08.0057
PROCEDIMENTO DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL (436)
REQUERENTE: ADAILZA BREDA FEDESZEN
REQUERIDO: TELEFONICA BRASIL S.A.


Advogado do REQUERIDO: GILBERTO DE AGUIAR CARVALHO - ES7918

INTIMAÇÃO

 Por ordem do Exmo. Dr. CARLOS MAGNO TELLES MM. Juiz de Direito da comarca de Águia Branca - Vara Única do Estado do Espírito Santo, fica o advogado supramencionado intimado para tomar ciência do inteiro teor da SENTENÇA id n° 2597481. 

SENTENÇA

Vistos etc.

Dispensado o relatório na forma do art. 38, da Lei nº 9.099/90.

ADAILZA BREDA FEDESZEN propôs ação de indenização por cobrança indevida c/c repetição de indébito e reparação por danos morais em face de VIVO – TELEFÔNICA BRASIL S/A, alegando, em síntese, que em janeiro do corrente realizou uma negociação com a requerida referente a 03 mensalidades que estavam em aberto, tendo realizado o pagamento dos débitos no dia 31/01/2019, entretanto, após o pagamento dos débitos, a requerida continuou a cobrá-los via SMS enviados para o número (27) 99721-5570, nos dias 05/02/2019 e 11/02/2019, sendo tais cobranças indevidas.

Ao que se observa da peça inicial, a autora almeja a restituição em dobro do valor cobrado indevidamente (R$ 107,12), devidamente corrigida, bem como seja a requerida condenada em danos morais, no importe de R$ 30.000,00.

A presente demanda trata de relação de consumo por este motivo, cabível a incidência das normas carreadas pela Lei 8.078/90 (Código de Defesa do Consumidor).

O objeto da lide está fundado no fato de a requerida cobrar valor já pago anteriormente.

Na hipótese sob análise, a parte consumidora é tecnicamente hipossuficiente, autorizando a inversão do ônus da prova em seu favor conforme permitido pelo art. 6º, VIII, do Código de Defesa do Consumidor.

Invertido o ônus da prova, verifica-se que cumpre exclusivamente à requerida demonstrar alguma excludente de sua responsabilidade civil (art. 12, § 3º, I, II e III do Código de Defesa do Consumidor).

Em sua contestação, a requerida alega que a autora não comprova em qual linha foram recebidas as mensagens de cobrança e que as mensagens recebidas são de cobrança da linha de titularidade da autora, a fim de demonstrar a suposta abusividade da cobrança.

Alega, ainda, que agiu no exercício regular de direito, posto que o débito pendente de pagamento são devidos por lógica contraprestação de um serviço contratado e regularmente prestado. Não há que se falar em repetição de indébito a partir da simples cobrança indevida, pois a incidência da sanção pressupõe que além da cobrança indevida ocorra também o seu efetivo pagamento pelo consumidor.

Pois bem. Analisando os autos, verifico pelo documento ID 1964046, que a autora efetuou o pagamento da negociação em 31/01/2019 e o documento ID 1964047 se refere às cobranças enviadas via SMS.

O art. 42, parágrafo único, do CDC, preceitua:

Art. 42. [...]

Parágrafo único. O consumidor cobrado em quantia indevida tem direito à repetição do indébito, por valor igual ao dobro do que pagou em excesso, acrescido de correção monetária e juros legais, salvo hipótese de engano justificável.

Em que pese os argumentos da parte autora, assiste razão à requerida no tocante à comprovação do envio via SMS de cobranças para o celular da filha da autora (ID 1964047), pois tais telas não comprovam para qual linha foram enviadas as mensagens de cobrança, não fazendo jus à restituição em dobro do valor cobrado, até porque, tal valor é fruto de uma renegociação de dívida existente com a requerida, qual seja, 03 mensalidades em atraso.

No tocante ao pedido de dano moral, verifico que tal pedido não merece acolhida, pois, segundo entendimento jurisprudencial, a requerida não expôs a autora a situação vexatória, tampouco inseriu seus dados nos órgãos de proteção ao crédito, causando, tal situação, um mero aborrecimento à parte autora.

AÇÃO DECLARATÓRIA DE INEXIGIBILIDADE DE DÉBITO C/C INDENIZAÇÃO POR DANO MORAL - DÍVIDA PAGA – EXTINÇÃO SEM JULGAMENTO DO MÉRITO – RECURSO DA AUTORA. Cobrança indevida por fatura paga – Posterior reconhecimento da ré que houve falha no repasse da quantia pela lotérica, local onde fora realizado o pagamento pela autora - Dívida reconhecidamente paga - Pedido de indenização por danos morais - Circunstância que não configura hipótese geradora de dano moral indenizável - Ausência de inscrição do nome da autora em cadastros de proteção ao crédito – Sentença mantida - Encargos de mora – Credora que propicia a seu consumidor opção de pagamento não pode furtar-se de eventual prejuízo, que em hipótese alguma pode ser imputado ao consumidor que adimpliu de boa fé – Precedente do STJ – Sentença reformada. Recurso parcialmente provido para afastar a extinção da ação, sem julgamento de mérito, julgando-se parcialmente procedente o pedido, nos termos do artigo 1013§ 1º, do CPC. (APL 1000533-87.2017.8.26.0634).

Isto posto, JULGO IMPROCEDENTE o pedido inicial e, via de consequência, JULGO EXTINTO O PROCESSO, com resolução de mérito, nos termos do art. 487, I do CPC/2015.

Isento de custas e honorários de advogado na forma do art. 55 da Lei 9.099/95.

P.R.I. Transitada em julgado e não havendo novos requerimentos ou pendências, arquivem-se os autos, observando-se as formalidades legais.

 

 

 

 

ÁGUIA BRANCA-ES, 04/10/2019

 

YARA MARQUES BARBOSA
Analista Judiciária Especial/Chefe de Secretaria